… and bring a new one

Sei exactamente o que estava a fazer o ano passado por esta hora: a organizar uma festa com o meu melhor amigo, a companheira de casa e a minha irmã. O namorado estava longe, tinha um emprego (ainda que por pouco mais tempo) e uma mudança iminente. Este ano a festa limita-se a mim e ao namorado e a uma garrafinha de rum.

Não sou muito de celebrar o ano novo, mas gosto sempre de fazer um balanço… e se posso dizer que muita coisa mudou, mais do que a localização geográfica ou do que estar a viver com o meu namorado, o que mais mudou fui eu. Praticamente um ano com as minhas “muletas” longe fizeram com que duvidasse de mim muitas vezes, mas que acreditasse mais em mim também. 2012 não foi o ano em que realizei sonhos, mas foi um bom ano, em que assentei pés na terra e, espero, tenha lançado alicerces para novas aventuras.

Vamos a ver o que conseguimos fazer com um novo ano! =)

I know exactly what I was doing last year around this time: organizing a party with my best friend, my roomate and sister. My boyfriend was far away, I had a job (even if only for a while more) and a move waiting to happen. This year the party will be between me, my boyfriend and a bottle of rum.

I am not a NYE celebration kind of gal, but I like to take some time to thing about the year. I can really say that lots of things have changed, but more than my location or the fact that I am living with my boyfriend, what really changed was me. Almost a year living apart from my biggest supporters made me doubt myself many times, but made me believe in me too. 2012 was not the year that I made my dreams come true, but it was a good year.

So let’s see what we can do with a new year! =)

Christmas | Natal

E pela primeira vez não vou passar o Natal com a família, vamos ter de ficar por cá… mas o Natal não deixa de ser o Natal, e para além da azáfama habitual de prendas (e envios), este ano tenho também a preparação dos doces e da ceia… começo a ver o porquê da minha mãe achar que o Natal é cansativo!

Fomos às compras hoje e trouxemos quase tudo, é claro que o mais importante, o bacalhau,  foi enviado pelos papás – OBRIGADA!!! E agora é mais ou menos esperar por dia 24 e passar o dia na cozinha!

I’m not going to spend Christmas with my family for the first time ever, because we need to stay here, in the UK… But Christmas is still Christmas, and this year not only I had to worry about gifts (and sending them) but with food and its preparation too… and I begin to understand why my mom says that Christmas is tiring.

Today we went groceries shopping and I believe we have almost everything. Of course the most important part, the salted cod fish, was sent by our parents – THANK YOU!!! And now all I need to do is wait for the 24th and spend all day in the kitchen!

Biscoitos húngaros or Hungarian cookies

São dos meus bolos preferidos, em Portugal poderia encontrá-los em qualquer pastelaria, mas por cá não, por isso quando encontrei a receita aqui não hesitei!

Estavam deliciosos, só faltava mesmo a marmelada, mas foi substituída por doce de figo. Até os flatmates gostaram e em menos de um dia desapareceram os 50 bolinhos.

Biscoitos húngaros

Those are my favorite cookies. In Portugal I could find them in any café, but not in the UK, so when I found the recipe in here I didn’t even blink.

They were delicious the only thing missing was the marmelade, but we used fig jam instead. Even my flatmates loved them and in less then a day all the 50 cookies were gone.

Portugueses

Ontem foi dia de derby lisboeta. Nem eu – Benfiquista – nem ele – Sportinguista – somos fanáticos dos clubes e passamos muito bem sem ver os jogos, mas ontem para além do jogo havia o encontro do grupo dos portugueses em Brighton. Depois de o ter convencido (que isto de ir ver o Sporting causa-lhe mais dores de cabeça do que alegrias) rumámos em direcção ao Little Portugal.

Quando nos mudamos para uma cidade diferente onde não conhecemos ninguém não são só as saudades de casa (dos amigos, da família e da comida) que apertam, é o facto de “perdermos” aquela sensação de conforto e familiaridade. Nunca fui pessoa de passar muito tempo desacompanhada, havia sempre um copo para beber, uma saída no fim-de-semana ou um jantar para organizar, mudar para uma nova cidade onde não conheço ninguém quer dizer mudar a minha rotina, continuo a ter muito que fazer, mas faço-o sozinha (por enquanto). Por isso é bom quando podemos entrar num estabelecimento e dizer “Boa noite!” pedir um bitoque, falar sobre a nossa vida e ver um jogo de futebol.

Acabou por ser um serão bem passado apesar de sermos pouquinhos (isto de ser segunda feira e da temperatura rondar os zero não deve ter ajudado), é sempre bom conhecer gente nova e simpática! =)

There’s something about Brighton…

…há sim! Hoje vi o nascer do sol sobre o Pier e digo-vos que foi magnífico. Pena não ter tido coragem para tirar as mãos dos bolsos e enfrentar a temperatura abaixo de zero para tirar uma fotografia! Fica para a próxima, prometo!

… yes there is! Today I saw the sun rising above the Pier and I can only say it was magnificent. Too bad I hadn’t had the courage to take my hands off my pockets, face the below zero temperatures and take a pic! Next time I will, promise!

E se te oferecessem o emprego que queres, mas tu não pudesses aceitar?

Nunca fui uma rapariga de ter sorte com esta coisa do emprego. Por outro lado também não me posso queixar muito! Quando terminei o curso levei quase um ano a encontrar um estágio, depois disso trabalhei em mais duas empresas, mas sem hipótese de crescimento ou sem hipótese de continuidade acabei por fazer 4 anos de experiência, mas sempre na minha área.

No início deste ano, depois de mais um contrato acabar decidi que não ia ficar mais uns meses desempregada (ou anos, tendo em conta a situação que se vive em Portugal), fiz as malas e parti rumo ao Reino Unido para me juntar ao namorado, que na altura estava a estudar. Aqui ainda não consegui trabalhar na área dos meus estudos tenho a certeza que lá chegarei, mas leva tempo!

Bom, tudo isto para chegar à tarde de quinta feira… Qual não é o meu espanto quando abro o meu e-mail e vejo uma mensagem do departamento de recursos humanos de uma conhecida multinacional que opera em Portugal. O meu primeiro pensamento foi “Eu não me candidatei a nada, isto deve ser spam”, mas ainda assim resolvi abrir e o que li fez-me chorar de raiva e rir de incredulidade: “Cara S. tive acesso ao seu contacto por um conhecimento comum que me deu excelente indicações suas. Neste momento temos um processo de recrutamento em aberto na sua área e queremos convidá-la a participar. A sua experiência no mercado e a recomendação que me deram fazem de si uma forte candidata ao lugar, blá blá blá…”. Engulo em seco e penso “Deixo tudo para trás e volto para Portugal!” e depois ouvi aquela voz “acabaste de assinar um contrato de arrendamento de 6 meses, não podes ir embora… e o namorado? Acabou de assinar um contrato de trabalho, também não vai”

Escusado será dizer que dormi mal nessa noite.. tenho a certeza que isto nunca me aconteceria se estivesse em Portugal e disponível para aceitar um novo emprego. Ontem a muito custo (mesmo muito muito custo) escrevi um e-mail a dizer que não podia aceitar, não pelo menos para este processo de recrutamento. E hoje digo-vos que espero não me vir a arrepender de ter dado um não! =/

One more move…

… e espero que esta seja de vez! Bom, pelo menos durante 6 meses será, depois logo se vê.

Mudar de casa é isso mesmo, mudar uma casa. É encontrar um sítio novo, completamente estranho e às vezes até pouco convidativo e fazê-lo teu. É criar aquele ambiente acolhedor, tipo porto de abrigo, que te faz suspirar e desesperar pelo final de dia de trabalho.

Não é fácil mas é possível. A dica que posso dar é descobrir o que é importante para nos fazer sentir em casa. Para mim é uma mistura entre duas ou três fotos, alguns livros e cadernos e uma boa almofada. Felizmente nada de muito pesado, porque as últimas duas mudanças foram feitas de transportes públicos – e agora imaginem o pânico de ter de meter tudo em apenas duas malas!! =)

Amanhã teremos as chaves para a nova casa. E a próxima semana vai ser passada entre a grande aventura de conduzir em Inglaterra pela primeira vez e a de desempacotar tudo o que foi arrumado à menos de um mês atrás!

Espero que no próximo post já possa mostrar umas fotografias!